SANTA INÊS – MPMA e IFMA realizam formatura de detentos em curso de Operador de Computador.

Aconteceu na última sexta-feira, 17, no auditório do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Maranhão (IFMA) – Campus Santa Inês, a formatura de oito internos da Unidade Prisional de Ressocialização (UPR) do município. O curso, com 200 horas/aula, foi realizado entre abril e agosto deste ano e faz parte do projeto “Digitando uma nova história: educação, dignidade e transformação”.

Idealizado pela 2ª Promotoria de Justiça de Santa Inês e realizado em parceria com o IFMA, o projeto tem três eixos: a capacitação dos internos da UPR, de mulheres vítimas de violência e de jovens em situação de vulnerabilidade social. O curso de formação inicial e continuada em operador de computador foi o primeiro realizado.

O objetivo da formação foi garantir a ressocialização dos detentos por meio do curso profissional. Com isso, busca-se evitar a reincidência no crime além de promover a reinserção desses alunos no mercado de trabalho ao deixarem o sistema penitenciário. A cada três dias de aula, os internos reduziram um dia de pena.

Durante o evento, três dos formandos fizeram uma apresentação sobre o que aprenderam no curso, que além de questões técnicas trabalhou temas como relações interpessoais. O interno Marley Sidney Vasconcelos Alves fez o juramento em nome da turma. Para ele, o curso foi muito importante para a ressocialização e para a possibilidade de novas oportunidades. “Foi uma ideia de pessoas que acreditaram em nós. Demos o nosso melhor e aprendemos muito”, afirmou.

O diretor do campus Santa Inês do IFMA, Aristóteles de Almeida Lacerda Neto, falou sobre a importância e desenvolvimento do curso, que foi realizado nas dependências da própria UPR, enfatizando que os professores do Instituto participaram do projeto sem receber qualquer ganho adicional por esse trabalho. Aristóteles Neto também afirmou que outras iniciativas já estão sendo discutidas com o MPMA e o IFMA.

O promotor de justiça Sandro Carvalho Lobato de Carvalho, titular da 2ª Promotoria de Justiça de Santa Inês, falou sobre a idealização do curso, com o objetivo de dar aos detentos uma formação que permitisse a sua reinserção no mercado de trabalho. “Ao ser procurado, o IFMA topou o desafio e criou esse curso específico para o projeto. Já a UPR ofereceu a estrutura necessária, com uma sala de aula para a realização das aulas”, explicou.

“Hoje estamos coroando essa união de instituições e, principalmente, dos detentos, que se mostraram ativos, interessados e preocupados com a sua saída da prisão” afirmou Sandro Lobato.

A procuradora de justiça Sandra Lúcia Mendes Alves Elouf, que representou o procurador-geral de justiça, Luiz Gonzaga Martins Coelho, enfatizou a importância do momento para os ressocializandos, suas famílias e a sociedade em geral. “A sociedade só tem a ganhar ajudando, apoiando, incentivando essa iniciativa”, afirmou. A procuradora de justiça também prestou uma homenagem às famílias e, em especial, às mães dos participantes do curso.

Presentes ao evento, representantes de entidades empresariais de Santa Inês garantiram apoio à iniciativa. Pelo menos uma vaga de emprego foi oferecida já durante a formatura.

O pró-reitor de Planejamento e Desenvolvimento Institucional do IFMA, Carlos César Teixeira Ferreira, representou o reitor Roberto Brandão na solenidade. O professor falou que, embora esteja presente em 29 municípios maranhenses, a instituição tem atuado sempre dentro de seus muros. “Foi uma grata surpresa quando o Ministério Público nos trouxe esse desafio. Enfrentamos e vencemos obstáculos para ofertar essa formação para pessoas que tanto precisam”, afirmou.

Para Carlos César Ferreira, esse projeto é um grande exemplo de como se pode fazer, efetivamente, transformações sociais.

Também participaram do evento a prefeita de Santa Inês, Vianey Bringel; a procuradora de justiça Domingas de Jesus Froz; o promotor de justiça José Artur Del Toso Júnior; o diretor-geral da Unidade Prisional de Ressocialização de Santa Inês, Carlos Marques Moraes Coelho; além de representantes da Defensoria Pública do Estado do Maranhão e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)

Deixe uma resposta